30 novembro 2005

Mozart com Kung Fu

Tinha tudo pra ser um bom filme, mas não é. O que não quer dizer que não mereça ser visto (ainda que daqui alguns anos na tevê aberta...).

Estreado recentemente no Brasil, o filme "Cão de Briga" (Danny the Dog) tem uma história simples, porém instigante: um descendente asiático (Danny) é criado como um cão matador - com incríveis habilidades em artes marciais orientais - que após fugir de seu "dono" tenta recuperar seu passado ao mesmo tempo que tenta se tornar gente, tal como na célebre história de Kaspar Hauser (filmada em 1974 por Werner Herzog), ocorrido no século XIX na Alemanha.

Nesta procura por sua identidade, Danny (vivido pelo lutador/ator Jet Li) conhece Sam (Morgan Freeman), um afinador de pianos cego que adota Danny e o leva para morar consigo e com sua filha adotiva, Victoria (Kerry Condon)

Victoria é uma jovem estudante de piano, e é por meio de tênues lembranças excitadas por este instrumento que Danny aos poucos vai colhendo as pistas sobre suas origens.

A grande revelação surge quando Victoria toca a bela "Sonata No. 11, em Lá Maior" de Mozart, que funciona como um gatilho para a fúria de carniceira de Danny contra seu algoz, o agiota Bart (vivido Bob Hoskins).

Como disse, tinha tudo pra ser um bom filme, mas...

Mas o problema é que não se quiz fazer um "bom filme", mas sim um "kung foo movie". Aí fodeu... Mesmo a sina carniceira de Danny limita-se a um balé acrobático, uma das heranças de "Matrix" que ainda se fazem sensíveis em Hollywood.

O filme é péssimamente dirigido por Louis Leterrier, o que não ajuda no roteiro "de ação" de Luc Besson. Apesar de toda a importância que a música clássica tem na história, toda a trilha fica a cargo da banda Massive Atack.

E como todo caipira que convida uma banda pra tocar em sua festa, fez-se questão que ela toque o tempo todo, enquanto que a música incidental poderia ter se limitado às cenas de luta. Em filmes de ação parece ser uma regra impedir o silêncio a qualquer custo.

Enfim, apesar de algumas temáticas interessantes, é um filme que se afunda no próprio estereótipo de mercado ao qual ele quer se associar. Azar o nosso...

3 comentários:

guilherme disse...

vai se fude o filme eh bom vc q eh um troxa e critica pequenos defeitos no filme vai ve scooby doo e vai toma no cu tranquilo

Lemos... disse...

Nossa, muitos comentadores aqui não conseguem receber críticas e argumentar, ao invés de xingar.

MATHEUS SILVA disse...

Kkkkkkkkk... Relaxa ignorante é oq mais tem nesse mundo